Estado cede áreas para polo de saúde

22 de Agosto de 2012

O Ceará pode garantir, hoje, a oportunidade de ter um novo polo de tecnológico industrial, desta vez na área de saúde. A Assembleia Legislativa vota na manhã desta quarta-feira, projeto de lei do executivo Estadual, que autoriza o Estado conceder à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), mais dois imóveis com áreas de 2.850,24 m² e 10.259,28m², no Eusébio.

A cessão dos terrenos foi aprovada ontem, pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), da Assembleia. Somados a outros 8,5 hectares já doados, a nova área, em torno de dez hectares, irá abrigar, a partir de janeiro próximo, as obras da sede do Polo Tecnológico Industrial de Saúde.

Segundo o diretor da Fiocruz, no Ceará, o médico, Antônio Carlile Holanda Lavor, o projeto arquitetônico da sede estará pronto em setembro próximo, devendo a obra ser licitada no mês seguinte e começar em janeiro de 2013. De acordo com ele, o Ministério da Saúde já garantiu a liberação de R$ 20 milhões este ano e mais três cotas de R$ 50 milhões, em 2013, 2014 e 2015,totalizando R$ 170 milhões, em três anos.

Polo industrial

Conforme explicou Carlile Lavor, parte desses recursos serão aplicados também na construção de uma fábrica de vacinas contra Febre Amarela, da própria Fiocruz, no local. “Estamos aguardando apenas a conclusão do processo de doação do terreno, para desenvolvermos o projeto. A perspectiva é de que a fábrica esteja pronta em quatro anos”, destacou o médico.

Se aprovada hoje, no plenário da Casa Legislativa cearense, o projeto de lei de cessão dos terrenos segue para sanção do governador Cid Gomes e posterior publicação no Diário Oficial do Estado (DOE). “Acreditamos que a mensagem será aprovada e sancionada. Afinal foi enviada pelo governador”, avalia Lavor.

Ao lado da fábrica de vacinas da Fiocruz, será instalado, também, um Centro de Tecnologia da Informática (CTI), que, juntos, formarão o embrião do Polo Tecnológico da Industrial da Saúde. A partir do quê, Estado e União esperam atrair várias empresas e indústrias dos ramos de medicamentos e de máquinas e equipamentos de saúde, para instalação no novo complexo.

Contatos iniciais

“Estamos contactando várias empresas, avaliando o perfil de cada uma, para ver quem tem capacidade de se instalar no polo” , informou Lavor. Além do terreno, o Estado está oferecendo uma série de incentivos fiscais para atração das empresas.

 

Fonte: Diário do Nordeste

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1172741