Mudanças no crédito para as microempresas

05 de Outubro de 2012

Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal anunciaram nesta quinta-feira novas mudanças nas suas linhas de crédito, desta vez, tendo como alvo as empresas. Pequenas e microempresas que contratarem operações de capital de giro no BB terão carência de três meses para começar a pagar. Quem já pegou o crédito antes do anúncio também poderá adiar o pagamento das prestações em até três meses, para início de 2013. O benefício vale para as linhas BB Giro Rápido e BB Giro Empresa Flex, até 28 de dezembro.

Concorrência

O banco estatal anunciou ainda incentivos para tirar clientes da concorrência. Micro e pequenas empresas com dívidas junto a outras instituições podem contratar empréstimos no BB, de até 60 meses, para liquidar a dívida antiga. Nesse caso, as taxas de juros mínimas são de TR mais 1,17% ao mês, de acordo com a linha Essas condições são válidas até o final de outubro.

Taxa

A Caixa também anunciou nesta quinta-feira mudanças no crédito. Reduziu a taxa máxima para desconto de duplicata de 1,85% para 1,15% ao mês. A taxa mínima continua em 1,06% ao mês. De acordo com o banco, as novas condições favorecem empresas privadas comerciais, industriais e prestadoras de serviços.

No mesmo produto, o banco oferece desconto de 100% na tarifa por entrega de borderô, cobrada a cada listagem de títulos entregue pelo cliente.

Reduções

Nas últimas semanas, os bancos públicos vêm anunciando, quase que diariamente, reduções de taxas de juros para empresas e consumidores, dentro da política do governo de forçar os bancos privados a seguirem o mesmo caminho.

A Caixa, por exemplo, anunciou o “crédito com pausa”, que permite ao cliente pular o pagamento de uma prestação a cada 11 meses, em algumas linhas. Também reduziu os juros do cartão crédito e financiamento de veículos e motos.

Expectativa

O BB cortou juros para financiamento de motos e no cartão de crédito. A expectativa agora é que reduza também tarifas bancárias, outra questão que entrou na mira do governo, depois dos reajustes realizados neste ano.

 

Fonte: Diário do Nordeste

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1188933