Estado pode ter R$ 5,25 bi em investimentos privados

14 de Janeiro de 2014

O volume de novos investimentos no Ceará por parte da iniciativa privada, projetado em protocolos de intenção firmados no ano passado, chega a R$ 5,25 bilhões. O montante, o maior dos últimos quatro anos, é referente a 82 pleitos aprovados pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Industrial (Cedin), os quais preveem a geração de 16.136 empregos diretos.

Os números, divulgados ontem pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), apontam que 29 municípios poderão ser beneficiados com os empreendimentos, caso estes sejam concretizados. Isso porque o documento assinado com o governo, que garante à iniciativa privada os incentivos fiscais oferecidos pela política do Fundo de Desenvolvimento Industrial (FDI), aponta uma intenção de investimentos, não gerando a obrigatoriedade de sua concretização.

Maior parte no Interior

O balanço apresentado pelo Cede aponta que a maior parte dos aportes será feita no Interior do Estado, com R$ 2,93 bilhões previstos do total e geração de 9.065 empregos. Os protocolos para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) contabilizam R$ 1,98 bilhões, com 6.329 postos de trabalho. Os R$ 344 milhões restantes são para aportes no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), com projeção de 742 empregos.

Avanço

Os valores de 2013 superam em 16% os do ano anterior, quando os protocolos assinados previam R$ 4,51 bilhões em investimentos, e em 32% os de 2011, quando registraram R$ 3,99 bilhões.
Em relação à expectativa de geração de empregos, 2013 também ficou na frente, registrando aumento de 9% sobre 2012 e 68% sobre 2011.

Principais projetos

De acordo com o presidente do Cede, Alexandre Pereira, os protocolos são para projetos, principalmente, nas áreas de calçados, pré-moldados, estruturas metálicas, setor metal-mecânico e seus derivados e geração de energia.

“O Ceará possui um ambiente extremamente favorável para atração de empresas, com investimentos constantes em infraestrutura, como porto, retroporto, estradas, aeroportos, para garantir as melhores condições de continuar recebendo grandes empreendimentos com a agilidade e solidez que se espera de um estado em contínuo crescimento. Tudo isso é um atrativo para o investidor”, aponta.

Entre os principais projetos firmados, está a construção de uma nova unidade da Votorantim Cimentos no município de Sobral, com investimentos de R$ 700 milhões. A cimenteira, que tem previsão para entrar em operação em 2016, terá capacidade de produção de 1,8 milhão de toneladas/ano.

ZPE

A lista de protocolos também inclui dois empreendimentos que serão instalados na Zona de Processamento de Exportação do Pecém (ZPE Ceará). Uma é a unidade da Vale Pecém S/A, com aporte de R$ 20,3 milhões para construção de indústria para produção e beneficiamento de minérios de ferro e seus concentrados, que serão fornecidos à Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). A outra é a Durametal, que, com R$ 141 milhões, irá erguer uma indústria para produção de autopeças fundidas automotivas e peças fundidas para geradores eólicos.

Incentivos

Os incentivos fiscais oferecidos pelo governo estadual são por meio de diferimento do ICMS gerado pela atividade industrial. O percentual do benefício é feito a partir de parâmetros como: geração de empregos, valor da operação, localização geográfica e projetos de responsabilidade social, cultural e ambiental.

“O incentivo é maior para investimentos localizados no interior do Estado e em municípios com menor PIB (Produto Interno Bruto). Acreditamos que o desenvolvimento econômico deve estar ligado diretamente à distribuição de riquezas e diminuição da pobreza”, afirma o presidente do Cede.

Sérgio de Sousa
Repórter

 

Fonte: Diário do Nordeste

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1359914